quinta-feira

Não Basta ser Inteligente

Para uma boa qualidade de vida, não basta ser inteligente!!! A inteligência precisa transformar-se em Sabedoria, ou nada feito... Imaginem a seguinte situação: Muitas coisas já amadurecidas e realizadas - família, carreira, equilíbrio financeiro. Ao mesmo tempo, como que paradoxalmente, poucas coisas passam a lhe interessar. Tudo parece meio monótono, meio chato, sem sentido, aleatório, meio tanto faz. Anestesia com tons de angústia mescla-se dentro de você. Você é capaz de imaginar esta situação? Você pode ter sido capaz de construir muitas coisas na vida, mas não se sente feliz – e aí? Leia tudo...

    Um grande autor de psicologia, Carl Gustav Jung, dizia que o sofrimento existencial e a angústia só cabem àqueles cujas personalidades podem mais do que estão vivendo. Seriam personalidades amplas, vivendo um cotidiano mediano, medíocre, sem oportunidade para a realização da própria Alma.

    Fato é que a realização interior e a inteligência para o cotidiano podem não somar-se e, de recurso, que era a inteligência pode tornar-se um entrave.

    Embora inicialmente a inteligência seja nossa aliada para a vida, ao não encontrar nada que a faça curvar-se, ela transforma-se em arrogância - a primeira inimiga do gosto pela vida e da alegria de viver.

    Mas o que faria a Inteligência curvar-se? Somente o sofrimento – ou o Amor.

    Dizem que certa vez, Santa Tereza D Ávila (que fizera voto de pobreza e de silêncio) ouviu o desabafo de uma noviça encarregada de lavar a louça. A jovem não via como atingir seu objetivo grandioso de alcançar a Deus com as mãos engorduradas na pia. Revoltada, a jovem protestava: "Mas por que tenho que ficar aqui, mãos nos restos de comida, se a única coisa que quero é encontrar a Deus?” E Santa Tereza, calmamente, lhe responde: "Preste atenção, minha filha, Deus se encontra entre as panelas”.

    Em meio às tarefas comuns, é preciso um olhar mais profundo e amoroso – e isto é uma necessidade vital. A vida harmoniosa requer ritmo e presteza para com os pequenos e grandes deveres – que começam inclusive com escovar os dentes, ou com ser atencioso com a própria alimentação – mas tudo feito com muito Amor. O Amor possibilita que tenhamos humildade e o respeito pelo cotidiano. Quando a Inteligência se junta ao Amor, temos a Sabedoria. Mediante este exercício contínuo, de buscar unir estas duas virtudes, quando a vida fizer exigências maiores, veremos desabrochar a grandeza de nossa Alma.

    Maraísa Gila

Um comentário:

Adriano disse...

Um texto concerteza de se parar e refletir com calma pois o amor tem que ser a base te tudo que vivemos,abraços

 
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios